Governo do Piauí tenta adquirir 130 respiradores da Turquia e Luxemburgo

Foto: Roberta Aline

Fracassou a tentativa do governo do Piauí adquirir 200 respiradores em compra conjunta com a prefeitura de Teresina. O mercado dificulta as parcerias. Por isso, o estado tenta viabilizar compras via Consórcio Nordeste. O governador Wellington Dias (PT) informou que busca no mercado da Turquia e de Luxemburgo respiradores mecânicos para reforçar o atendimento aos pacientes graves com a covid-19.

O secretário estadual de saúde, Florentino Neto, afirmou que o Piauí está buscando trazer respiradores da Turquia e também da China. 

.O estado tem enfrentado dificuldade na aquisição destes equipamentos, considerados essenciais em leitos para tratamento da covid-19. Ontem, o juiz da 2ª Vara da Justiça Federal no Piauí, Márcio Magalhães Braga, intimou e deu prazo de 48 horas para que as empresas Intemed Equipamento Médico Hospitalar e Magnamed Tecnologia Médica S/A entreguem 80 respiradores adquiridos pelo governo estadual, mas que foram confiscados pelo Ministério da Saúde para envio a outras unidades da federação.

“Tivemos a compra de 80 respiradores em razão de uma requisição administrativa do Ministério da Saúde. Nós já ganhamos isso na justiça e estamos pleiteando que as empresas possam cumprir a decisão judicial. Temos outros contatos e estamos buscando trazer respiradores da China e da Turquia. Estamos numa luta cada vez maior estruturando a nossa rede”, disse o secretário em entrevista à TV Cidade Verde.

Segundo o gestor, o estado corre contra o tempo para aumentar a capacidade do sistema de saúde do Piauí antes do pico da doença, previsto para a segunda quinzena de maio. Só ontem, o Piauí registrou 102 casos da covid-19 em 24 horas, além de mais 5 mortes, totalizando 35.

“Se tinham respiradores que a gente podia restaurar e colocar para funcionar, fizemos isso. Embora as dificuldades existam, todo o esforço tem sido empreendido para ampliar o número de leitos. Toda a nossa preocupação é acelerar a medidas que nós temos programadas para ampliação de leitos e conclamar a população para uma atenção maior ao isolamento social”, afirmou.

Foto: Folhapress

Florentino destacou que o Piauí possui hoje 235 leitos de UTIs na rede pública e privada apenas para o tratamento da covid-19. Segundo ele, o estado é de alerta para o estrangulamento da rede. A previsão é que a demanda aumente na última semana deste mês e primeira semana de junho.

“Estamos em estado de alerta e de extrema preocupação. É por isso que nós estamos aqui trabalhando. Todos esses leitos são exclusivos para tratamento de covid-19. Nesses últimos 3 meses nós tivemos a responsabilidade de duplicar esses leitos do Piauí e temos a meta de ampliar ainda mais para garantir atendimento a todos. Temos 235 leitos hoje entre públicos estaduais, públicos municipais, federais, filantrópicos e da rede privadas exclusivos de terapia intensiva para a covid-19. Destes, 87 estão ocupados. O que nos preocupa é a curva que só aumenta. Ontem foram 102 casos em um só dia e 5 mortos”, afirmou, destacando que o estado recebeu dez leitos de UTIs do Ministério da Saúde, só que desacompanhados de ventiladores.

“Recebemos os dez leitos prometidos pelo Ministério da Saúde, só que eles vieram sem os ventiladores, que são fundamentais. Depois de 5 dias recebemos os ventiladores, só que não eram ventiladores estacionários, os mais adequados. Vieram ventiladores de transportes e reclamamos isso para o ministério. Depois o ministério anunciou que vai mandar mais 20 ventiladores para o Piauí, mas não recebemos ainda. Tivemos uma reunião dos secretários de saúde com o ministro antes de ontem e a reclamação nossa é muito parecida com a dos demais estados. Existe um problema de logística entre a compra e a necessidade dos estados e municípios. Essa reclamação foi unânime”, finalizou Florentino.