Operação Caterva: MP denuncia 21 suspeitos de integrar facção criminosa no Sul do Piauí

O Ministério Público do Piauí ofereceu denúncia contra 21 pessoas que são acusadas de integrar uma facção criminosa que atuava no Sul do estado. Os denunciados foram alvos da Operação Caterva, da Polícia Civil, realizada no dia 27 de abril, e são suspeitos de tráfico de drogas, vendas de armas e outros crimes..

O Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Promotoria de Justiça de Manoel Emídio, junto com a Delegacia de Canto do Buriti, ingressaram com a denúncia na Comarca de Manoel Emídio no dia 10 de maio.

Durante a operação foram presas 16 pessoas, entre elas está um empresário suspeito de comercializar armas e munições nas cidades de Canto do Buriti, Eliseu Martins, Manoel Emídio e Colônia do Gurguéia.. Cinco ainda estão foragidos.

O Gaeco afirmou na denúncia que a investigação realizada pela Delegacia de Canto do Buriti, sob o comando do delegado Yan Brayner, apontou que existe um núcleo de uma facção criminosa atuando na região.

“Trata-se de uma organização criminosa em que funciona um sistema de subdivisões especializadas no financiamento de atividades ilícitas, tráfico de drogas e comercialização de armas e munições”, afirmou o Gaeco na denúncia.

Foram denunciadas 21 pessoas pelos crimes de tráfico de drogas, organização criminosa, associação para o tráfico, porte ilegal de arma de fogo e munição. Se a denúncia for aceita pelo Judiciário, os acusados viram réus e passam a responder pelos crimes na Justiça.

Segundo o Ministério Público, cinco denunciados estão foragidos, são eles: Alessandro Nogueira da Silva, conhecido como “Squich”, Rivanildo Moreno da Luz, Zaelton Moreno Batista, conhecido como “Caçambão”, Estevão Barbosa de Miranda Júnior, conhecido como “Júnior Playboy”, e Carlos Eduardo de Almada Santos.